Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Alguns poemas enigmas e contos de Lewis Carrol (Procurando traduzir...)

Trying to translate into Portuguese some riddles poems and short stories by Lewis Carrol

por Lourenço Proença de Moura, em 10.03.23

DALL·E 2023-03-10 10.39.13 - riddle poems and sho

Em algumas publicações anteriores deste blog (A propósito de traduções... A Bíblia e "O corvo" de Edgar Allan Poe e O trilho do bezerro... (Sam Walter Foss -1858-1911) ) abordei o tema das traduções.

Não sendo eu fluente na língua inglesa, gosto deste tipo de desafio, de transpor poemas da língua de Shakespeare e Jack-the-Ripper, para a língua de Camões e Jorge Jesus.

Desta vez as vítimas foram textos de Lewis Carrol, aliás Charles Lutwidge Dodgson (1832 – 1898), mais conhecido pelos seus contos de Alice, sobretudo o conto que decorre num país que não é o nosso (*).

Como no Trilho do bezerro, estes devaneios não se poderão chamar exatamente traduções. Será talvez mais correto chamar-lhes transposições. Procurei manter a essência do significado, mas sobretudo a musicalidade focada na rima.

Quaisquer sugestões são bem-vindas, mesmo que não vindas de gente-bem, nem chamada Benvinda!

 

* Se bem que no início possamos colocar essa hipótese quando Alice entra num buraco

As imagens foram geradas pela aplicação: https://labs.openai.com/

_o0o_

DALL·E 2023-03-06 22.30.32 - painting of iron gun

FACTS

Were I to take an iron gun, And fire it off towards the sun;

I grant twould reach its mark at last, But not till many years had passed.

But should that bullet change its force, And to the planets take its course,

Twould never reach the nearest star, Because it is so very far.

Factos

Se num potente canhão eu pegar, e contra o sol o disparar;

Decerto que um dia o atingirá, mas muitos anos demorará.

Mas se dermos mais força à bala, e em direção aos astros formos apontá-la,

Não chegará na nossa vida à mais próxima estrela, Estamos ultra longe dela.

 

 

DALL·E 2023-03-06 22.27.14 - painting of a fairy

My Fairy

I have a fairy by my side

Which says I must not sleep,

When once in pain I loudly cried

It said ‘You must not weep.’

 

If, full of mirth, I smile and grin,

It says ‘You must not laugh.’

When once I wished to drink some gin,

It said ‘You must not quaff’.

 

When once a meal I wished to taste

It said ‘You must not bite’

When to the wars I went in haste

It said ‘You must not fight’.

 

‘What may I do?’ at length I cried,

Tired of the painful task.

The fairy quietly replied,

And said ‘You must not ask’.

 

Moral: ‘You mustn't.’

A minha fada

Tenho uma fada a meu lado

Que me diz para não dormir

Certo dia sofrido gritei assustado

Disse ‘não te deves afligir’

 

Se alegre, dou gargalhadas

Diz-me ‘Não te deves rir’

Quis gin beber umas goladas

Disse-me ‘não deves engolir’

 

Quis provar uma refeição

Disse-me ‘não deves morder’

Para a guerra fui num batalhão

Disse-me ‘não deves combater’

 

‘Que faço então?’ Gritei no fim,

Farto de ser constrangido

A fada respondeu-me assim,

‘Perguntar é proibido!’

 

Moral: ‘Nunca se deve!’

 

DALL·E 2023-03-06 22.22.23 - painting of an old f

Melodies

I

There was an old farmer of Readall,

Who made holes in his face with a needle,

Then went far deeper in

Than to pierce through the skin,

 And yet strange to say he was made beadle.

 

II

There was an eccentric old drapper,

Who wore a hat made of brown paper,

It went up to a point,

Yet it looked out of joint,

The cause of which he said was ‘vapour’.

 

III

There was once a young man of Oporta,

Who daily got shorter and shorter,

The reason he said

Was the hod on his head,

Which was filled with the heaviest mortar.

 

IV

His sister, named Lucy O'Finner,

Grew constantly thinner and thinner;

The reason was plain,

She slept out in the rain,

And was never allowed any dinner.

Melodias

I

Era um velho agricultor de Olhão

Furava o rosto com uma agulha na mão

Depois foi ainda mais além

Perfurou toda a pele também

Por estranho que pareça chegou a ser sacristão

 

II

Era um velho excêntrico sedutor,

Que usava chapéu de papel de cor

Usou-o até dada altura,

Mas perdeu a compostura,

Disse que a culpa era do ‘calor’.

 

III

É um jovem de Alcobaça

Fica mais baixo cada dia que passa

A razão, disse sem pressa

Trago um tabuleiro à cabeça

Cheio de pesada argamassa

 

IV

A sua irmã Lúcia Guiomar

Cada vez mais magra estava a ficar

A razão aqui comento:

Dormia à chuva ao relento

E nunca lhe davam jantar

 

 

 

DALL·E 2023-03-06 22.19.38 - painting of a brothe

Brother and Sister

 

‘SISTER, sister, go to bed!

Go and rest your weary head.’

Thus the prudent brother said.

 

‘Do you want a battered hide,

Or scratches to your face applied?’

Thus his sister calm replied.

 

‘Sister, do not raise my wrath.

I'd make you into mutton broth

As easily as kill a moth’

 

The sister raised her beaming eye

And looked on him indignantly

And sternly answered, ‘Only try!’

 

Off to the cook he quickly ran.

‘Dear Cook, please lend a frying-pan

To me as quickly as you can.’

 

‘And wherefore should I lend it you?’

‘The reason, Cook, is plain to view.

I wish to make an Irish stew.’

 

‘What meat is in that stew to go?’

‘My sister'll be the contents!’

‘Oh’

‘You'll lend the pan to me, Cook?’

‘No!’

 

Moral: Never stew your sister.

Irmão e Irmã

 

‘Mana, mana, não fiques doente

Deita-te e descansa a cabeça dormente’

Tal lhe disse seu irmão prudente

 

‘Queres levar uma carga de pancada?

Te arranhe a cara à unhada?’

Respondeu a irmã recostada

 

‘Irmã, não me armes conflito

Senão faço-te em picadito

Fácil como matar um mosquito’

 

A irmã pôs um olhar audaz

Olhou para ele com ar mordaz

E severa respondeu: ‘Vê se és capaz!’

 

Ele correu até à cozinheira

‘Amiga, dá-me uma frigideira

Passa-ma rápida e ligeira.’

 

‘E porque ta devia ceder?’

‘A razão, é fácil de entender

Paelha espanhola vou fazer’

 

‘Que carne vai pôr no fogão?’

‘Vou cozinhar a minha irmã!’

‘Mauzão!’

‘Então passa-me a sertã?’

‘Não!’

 

Moral: Nunca cozinhe a sua irmã

 

DALL·E 2023-03-06 22.06.01 - lewis carrol rules a

Rules and regulations

 

A short direction

To avoid dejection,

By variations

In occupations,

And prolongation

Of relaxation,

And combinations

Of recreations,

And disputation

On the state of the nation

In adaptation

To your station,

By invitations

To friends and relations,

By evitation

Of amputation,

By permutation

In conversation,

And deep reflection

You'll avoid dejection.

Regras e regulamentos

 

Uma breve sugestão

Para evitar depressão,

Pela variação

Na sua ocupação,

E extensão

Da descontração,

Na combinação

Da recreação,

E discussão

Do estado da nação

Na adaptação

À sua posição,

Pela recomendação

A amigos e outros da sua relação,

Pela evitação

Da limitação,

Pela interação

Em conversação,

E profunda reflexão

Evitará a depressão.

 

Learn well your grammar,

And never stammer,

Write well and neatly,

And sing most sweetly,

Be enterprising,

Love early rising,

Go walk of six miles,

Have ready quick smiles,

With lightsome laughter,

Soft flowing after.

Drink tea, not coffee;

Never eat toffy.

Eat bread with butter.

Once more, don't stutter.

Aprende a boa gramática

Não gaguejes, ganha prática

Escreve bem e claramente

E canta o mais docemente

Avança, não tenhas medo

Levanta-te bem cedo

Faz bem longas caminhadas

Sê pronto a dar risadas

Com um discreto sorrir

Fluindo calmo a seguir

Bebe chá e não café

E nunca fumes rapé

Come manteiga no pão

E gaguejar na-na-não!

 

Don't waste your money,

Abstain from honey.

Shut doors behind you,

(Don't slam them, mind you.)

Drink beer, not porter.

Don't enter the water

Till to swim you are able.

Sit close to the table.

Take care of a candle.

Shut a door by the handle,

Don't push with your shoulder

Until you are older.

Lose not a button.

Refuse cold mutton.

Starve your canaries.

Believe in fairies.

If you are able,

Don't have a stable

With any mangers.

Be rude to strangers.

 

Moral: Behave.

Não desperdices dinheiro

Do mel não queiras nem cheiro

Fecha as portas ao passar

Mas sem força, devagar!

Bebe cerveja, não bagaço

No rio segue passo a passo

Até saberes nadar

Junto à mesa te deves sentar

Está atento ao professor

Fecha a porta pelo puxador

Não empurres com o joelho

Até chegares a velho

Não percas nem um fio

Recusa carneiro frio

Aos canários pouca alpista

Crê em fadas e em fadistas

E se fores imbecil,

não tenhas um redil

Com qualquer rebanho.

Sê rude com estranhos.

 

Moral: Age

 

 

DALL·E 2023-03-06 21.54.25 - lewis carrol puzzles

Puzzles from wonderland

II.

A stick I found that weighed two pound;

I sawed it up one day

In pieces eight of equal weight!

How much did each piece weigh?

(Everybody says ‘a quarter of a pound’, which is wrong.)

 

V.

Three sisters at breakfast were feeding the cat,

The first gave it sole—Puss was grateful for that,

The next gave it salmon—which Puss thought a treat,

The third gave it herring—which Puss wouldn't eat.

(Explain the conduct of the cat)

 

Solutions to puzzles

 

II.

In Shylock's bargain for flesh was found

No mention of the blood that flowed around:

So when the stick was sawed in eight,

The sawdust lost diminished from the weight.

 

V.

That salmon and sole Puss should think very grand

Is no such remarkable thing.

For more of these dainties Puss took up her stand;

But when the third sister stretched out her fair hand

Pray why should Puss swallow her ring?

 

 

 

 

Enigmas do país das maravilhas

II.

Uma peça de carne com dois quilos pesei

Vi-a depois por sinal

Em oito pedaços de peso igual

Quanto pesava cada um afinal?

(Todos dizem um quarto de quilo mas está mal)

 

V.

Três irmãs de manhã dão de comer ao gato,

A primeira deu-lhe pargo – O Simba ficou-lhe grato,

A segunda deu salmão – Foi o Simba deleitar,

A terceira quis dar solha – O Simba foi afugentar.

(Explique o comportamento do gato)

 

Soluções dos enigmas

 

II

Comprada num talho, a peça de carne em saldo

Com sangue a escorrer em espesso caldo

Por isso quando ela em oito partes foi cortada

Bem mais leve ficou com a parte desperdiçada

 

V

Que com o pargo e o salmão Simba se deliciaria

Não será grande admiração

Para guloseimas dessas sempre pronto estaria

Mas quando a outra irmã, pancada lhe oferecia,

Ele iria aguardar por que razão?

 

Em inglês herring (her ring) arenque (seu anel); em português adaptei para ‘solha’ (palmada)

 

DALL·E 2023-03-06 21.58.43 - lewis carrol sea dir

A Sea Dirge

 

There are certain things - as, a spider, a ghost,

The income-tax, gout, an umbrella for three

That I hate, but the thing that I hate the most

Is a thing they call the Sea.

 

Pour some salt water over the floor -

Ugly I'm sure you'll allow it to be:

Suppose it extended a mile or more,

THAT'S very like the Sea.

 

Beat a dog till it howls outright -

Cruel, but all very well for a spree:

Suppose that he did so day and night,

THAT would be like the Sea.

 

I had a vision of nursery-maids;

Tens of thousands passed by me -

All leading children with wooden spades,

And this was by the Sea.

 

Who invented those spades of wood?

Who was it cut them out of the tree?

None, I think, but an idiot could -

Or one that loved the Sea.

 

It is pleasant and dreamy, no doubt, to float

With 'thoughts as boundless, and souls as free':

But, suppose you are very unwell in the boat,

How do you like the Sea?

 

There is an insect that people avoid

(Whence is derived the verb 'to flee').

Where have you been by it most annoyed?

In lodgings by the Sea.

 

If you like your coffee with sand for dregs,

A decided hint of salt in your tea,

And a fishy taste in the very eggs -

By all means choose the Sea.

 

And if, with these dainties to drink and eat,

You prefer not a vestige of grass or tree,

And a chronic state of wet in your feet,

Then - I recommend the Sea.

 

For I have friends who dwell by the coast -

Pleasant friends they are to me!

It is when I am with them I wonder most

That anyone likes the Sea.

 

They take me a walk: though tired and stiff,

To climb the heights I madly agree;

And, after a tumble or so from the cliff,

They kindly suggest the Sea.

 

I try the rocks, and I think it cool

That they laugh with such an excess of glee,

As I heavily slip into every pool

That skirts the cold cold Sea

Um canto fúnebre ao mar

 

Há certas coisas, fantasma, aranha

Impostos, guarda-chuva a por três partilhar

Que detesto, mas o que mais me estranha

É uma coisa a que chamam mar

 

Deita no chão água salgada

Fica sujo, mas deixa assim ficar:

Supõe-na por mais de uma milha espraiada

E tens algo muito igual ao mar

 

Bate num cão até não parar de ganir

É cruel, mas estamos só a brincar

Supõe-no assim, noite e dia a seguir

Isso soará como o mar

 

Tive uma visão com amas à maneira

Dezenas de milhar por mim a passar

Todas com crianças com pás de madeira

E isto era junto ao mar

 

Quem inventou em madeira essas pás?

Quem das árvores as decidiu cortar?

Só um idiota de tal seria capaz

Ou alguém que goste de mar

 

É agradável flutuar eu concedo

Alma livre sem limites no pensar

Mas supõem que em barcos sentes medo,

Poderás tu gostar de mar?

 

 

Há um inseto por todos evitado

O nome com a palavra 'tosca' vai rimar

Em que locais por ele és mais incomodado?

Em locais ao pé do mar

 

Se gostas de beber café com areia,

No chá um travo de sal no paladar,

E um sabor a peixe na geleia

Não podes deixar de ir ver o mar

 

E se com delícias para comer e beber,

Não quiseres erva ou árvore vislumbrar,

Nos pés sentir humidade permanente,

Então recomendo-te o mar

 

Tenho amigos que passeiam na costa

Bons amigos – gosto de com eles estar

Quando lhes pergunto, espanta-me a resposta

Como podem gostar do mar!?

 

Comigo em passeio, com ar algo azedo

Subimos uns montes, eu estava a adorar;

Após tropeçarem num simples rochedo

Amáveis sugerem passear no mar

 

Passo pelas rochas e até acho um regalo

Mas riem-se de mim gozando até fartar

Quando para as poças de água resvalo

As poças da água gelada do mar

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Armários sagrados?

por Lourenço Proença de Moura, em 10.03.23

Pedra_Evaristo_furo_saida_detalhe.jpg

Tenho já um percurso de vida algo longo, mas felizmente continuo a ser surpreendido pelo que posso denominar de “descobertas  inesperadas”. O que vou relatar sucedeu há relativamente poucos anos, na minha terra natal, Caria, no concelho de Belmonte. Mostraram-me uma pedra de formato estranho cuja finalidade desconhecia. Nunca tinha vista algo semelhante. E pouco tempo depois soube que afinal haveria mais na minha terra. E bastantes mais, um pouco por todo o país, sobretudo em terras do interior. Mas qual a sua finalidade? Há quem as considere pertencerem a armários sagrados. Fiz algumas pesquisas e…

Se tiver curiosidade em saber o que fui escutando, lido e refletido, venha comigo nesta viagem… No final, poderá mesmo procurar e encontrar alguns exemplares, a partir das indicações que lhe vou dar.

---ooOoo---

O episódio inicial que me levou a estas notas, ocorreu como referi, na minha terra, Caria. Estávamos em 2014. Numa ida em férias, o meu amigo Mário Ribeiro, ao fazer-me o ponto de situação do que de mais relevante teria ocorrido desde a minha última visita, conhecendo bem a minha curiosidade por temas que possamos associar à história, disse-me que eu deveria ver uma pedra com forma misteriosa que estava em casa de um outro amigo, o Evaristo (Professor António Manuel Evaristo Duarte).

Como decerto ele já antecipava, poucos minutos depois já lá nos encontrávamos, após um breve passeio pedestre, facilidade permitida nestas pequenas localidades em que quase tudo está por perto.

A pedra estava no jardim. Infelizmente partira-se ao ser retirada do local em que se encontrava, numa casa que ele entretanto vendera.

A imagem com que iniciei esta publicação e esta seguinte foram tiradas nessa altura.

Pedra_Evaristo.jpg

Nunca tinha visto pedras semelhantes. O que me surpreendia, era que claramente estava escavada no meio, tendo um bordo saliente, com o objetivo de não deixar derramar e facilitar a recolha de um líquido. Tal em si mesmo nada tem de estranho. Porém a sua saída não era um mero orifício, tendo um trabalho singelo mas interessante, representando o que me pareceu ser a cabeça de um carneiro.

A associação imediata que me veio à ideia, era de que, com esta representação na saída, seria para fazer um qualquer tipo de sacrifício ritual. Mas não consegui imaginar qual e muito menos “o porquê”, numa terra como Caria.

Mais tarde, na sequência de conversas diversas com outros amigos, fiquei a saber bastante mais sobre este tipo de pedras, que eu então desconhecia. Tal aprendizagem foi sobretudo feita com a minha conterrânea Graça Correia Ribeiro, que tem estudado o tema. Na verdade esta pedra corresponde a uma tipologia conhecida, que ocorre um pouco por todo o país, mas sobretudo nas zonas do interior. Em algumas publicações disponíveis na internéte (ver por exemplo [3]) refere-se que estará associada a práticas religiosas dos cripto-judeus, ou seja, judeus que na sequência das perseguições feitas em Portugal desde o final do século 15, tinham mantido a sua religião e ritos de forma secreta, mantendo na aparência práticas cristãs.

Este tipo de pedra correspondia a uma prateleira, tipicamente a inferior, de uma estrutura normalmente embutida na parede, constituindo um armário quase sempre em pedra, que na configuração mais comum tinha duas prateleiras. Uma delas, mais trabalhada e com o referido formato de recolha de líquido, ficava por baixo. A outra, mais simples, por cima. Segundo as referidas propostas, nestes armários seriam colocados os objetos litúrgicos, tais como uma candeia, uma menorá, ou mesmo a Tora. Mas sobre a exata função da prateleira inferior não encontrei nenhuma certeza. A única explicação até agora encontrada [3] sugere que seria para funcionar como cantareira de água.

Esta possibilidade não me pareceu razoável. Uma cantareira em pedra é pouco lógica – basta um toque inadvertido numa esquina e o cântaro parte-se. Procurei então fazer alguma pesquisa. Consultei descrições dos ritos judaicos, contactei pessoas judias e estudiosos. Não consegui identificar nenhum rito em que fosse utilizado um líquido em que houvesse a necessidade de o mesmo ser recolhido.

Pensei então que poderia não ter a ver com ritos atuais, mas sim antigos. Tal seria plausível. Por exemplo na publicação feita por Samuel Schwarz [1] em 1925, centrada na comunidade judaica de Belmonte, o autor mostra que, fruto de todo o secretismo que era assumido e da passagem essencialmente oral entre gerações, várias das orações recitadas tinham há séculos deixado de ser usadas. Esta comunidade “cristalizou” o que eram práticas muito antigas.

Curiosamente, procurar descrições de práticas antigas foi para mim relativamente fácil, pois na sequência de outras pesquisas já conhecia um livro publicado em Amsterdão em 1645 por um judeu português. Trata-se da obra Thesouro dos Dinim (Tesouro de ritos) [2], escrito por Menasseh Ben Israel, nascido Manuel Dias Soeiro, na ilha da Madeira em 1604. Na internet encontra-se disponível a 2ª edição, do ano judaico de 5470, ou seja de 1710. Trata-se de um tratado das leis judaicas, escrito em português, relativo às práticas a cumprir. Destinou-se naturalmente à comunidade sefardita portuguesa. Inclui por exemplo (referências abreviadas) Tratado de madrugar pela manhã,  Forma de observância de todos os preceitos morais da divina Lei, Das sestas e jejuns de todo o ano, Das Comidas lícitas e ilícitas, com as bençãos e circunstâncias tocantes a esta materia.

Porém, na leitura que fiz, também não consegui identificar a utilização de líquidos que justificasse a necessidade da sua recolha, nem algo que pudesse explicar o formato destas prateleiras.

Uma outra base de estudo foram as obras de David Augusto Canelo, Os últimos cripto-judeus em Portugal [4] e  O resgate dos marranos portugueses [5], que se centra na comunidade judaica de Belmonte, se bem que ofereça uma perspetiva alargada. Não é feita nenhuma referência a estes armários. Contactei entretanto o autor que me confirmou não ter até ao momento conhecimento de nenhuma evidência que sustente a perspetiva de que esses armários poderiam ser de origem judaica ou usados para o culto.

Uma outra ideia de pesquisa que me ocorreu foi a seguinte: Se este tipo de armário era tão divulgado e fosse usado para algum rito, seria decerto citado em algum dos muitos processos de julgamento do Santo Ofício. Fiz nessa sequência alguma pesquisa na internet e encontrei algumas publicações sobre esses processos. Porém e mais uma vez, nelas não encontrei nenhuma referência a este tipo de armário.

Depois de mais este insucesso suspendi as pesquisas, aguardando pela publicação de estudos nesta área.

Sucedeu que, no final de 2020, ao fazer obras de remodelação na minha casa em Caria, acompanhadas à distância por causa da pandemia, fui surpreendido com a informação de que, ao se desmontar um armário – vitrine, se encontrava por trás uma destas estruturas. Fiquei naturalmente agradavelmente supreendido e pedi à minha amiga Angélica Mujeiro que me enviasse imagens.

Mostro de seguida qual era o aspeto anterior e o que ficou à vista.

IMG_6178.JPG

Armário – vitrine como o conhecia

IMG-20210214-WA0006.jpg

Armário tal como ficou agora à vista

O armário tem as seguintes dimensões em centímetros: 140 de altura, 120 de largura, 40 de profundidade.

Por razões óbvias este armário permite-me fazer algumas interpretações pessoais.

Percebe-se que a parte superior rachou num passado distante. Pode ter sido essa a razão para ter sido “forrado de novo”.

Numa parede próxima, ficou à vista uma data, não muito nítida, mas aparentemente 1687.

1687.JPG

Vendo a forma como as paredes estão justapostas, percebe-se que a parede do armário é de construção posterior, possivelmente pouco posterior.

Não possuímos documentação sobre a origem da casa ou a sua aquisição. Sempre assumi que era da família há bastante tempo sem outras preocupações. Sei que com o apelido Proença, o primeiro antepassado a nascer em Caria, foi meu bisavô Agostinho em 1840. O pai dele nascera perto, mas na Quinta da Castanheira. Terá vindo depois viver para Caria e nessa altura comprado a casa que já há muito existia. Também não conheço documentos ou relatos de família que pudessem remeter para a religião judaica.

A localização deste armário levou-me a reforçar a convicção de que não terá nada a ver com funções de cantareira. Encontra-se na sala mais interna da casa. Uma cantareira está tipicamente no ponto de maior atividade, na maioria das vezes na cozinha ou sala anexa à cozinha. Temos aliás uma nessa mesma casa, na saleta junto à “cozinha velha” onde fazíamos as refeições. Era aí, nesse ponto de passagem (e de refeição) que a cantareira prestava o seu inestimável serviço.

Não havendo porém nenhum dado concreto que sustente que possa realmente ter origem judaica, assumi que poderia ser simplesmente um armário utilitário, com a prateleira inferior para um qualquer uso que talvez futuros estudos esclareçam.

Porém, numa conversa informal com a minha esposa, sobre este “mistério”, ela sugeriu uma possível resposta…

Havia e há um ato essencial para os judeus cumprirem os seus preceitos, relacionados com a alimentação. Para lá de haver restrições a se comerem certos animais, mesmo os que se podem comer têm de ser mortos cumprindo um conjunto de regras bem definidas em que o animal é obrigatoriamente sangrado. No já citado livro Thesouro dos Dinim, tal é bem descrito e mais abaixo apresento a respetiva transcrição.

O sangue não pode ser digerido. Em condições normais, o sangue devia / deve ser simplesmente derramado no chão, em areia. Mas em comunidades perseguidas essa abordagem não podia ser feita. Tal deixava evidências que podiam ser constatadas facilmente por qualquer vizinho ou visitante.

A opção por uma base de pedra, onde o pequeno animal era imolado, com o seu sangue a ser de imediato recolhido, sendo a pedra lavada para não deixar vestígios, seria possivelmente uma boa abordagem para estas comunidades.

Claro que isto é apenas uma hipótese. Talvez um dia se possam, quem sabe, fazer análises que permitam validá-la, caso existam técnicas que consigam identificar resíduos mínimos antigos de sangue em algumas destas estruturas.

Saliente-se que esta hipótese parece entrar em oposição com a ideia desta estrutura ser também o local de colocar objetos liturgicos na prateleira superior. O sangue era considerado impuro. Mas naquelas épocas de perseguição não se podiam dar a luxos de cumprir todos os preceitos de forma perfeita. Por isso, quem sabe, até poderia servir para ambos. Após a morte do animal poderia haver um ato de purificação. Mas isto são meras especulações.

Em jeito de resumo...

Em resumo, na sequência da minha análise, considero como possível que estes armários fossem construídos por iniciativa de cripto-judeus para realizar atos de sangramento em pequenos animais para fins alimentares. A hipótese de o armário ser usado como cantareira não é coerente, mas decerto que poderiam neles colocar cântaros para disfarçar o seu real uso. Na pedra que referi no início, em que o orifício de saída tem a forma de uma cabeça de carneiro, terá mesmo havido a ousadia de o denunciar…

Com uma associação simples fonética a denominação de “armários sagrados”, poderia nesta interpretação ser adaptada para “armários de sangrado”...

Por curiosidade, no Anexo 2, apresento a descrição deste ritual, tal como é descrito no referido livro Thesouro dos Dinim.

---oOo---

Se gosta de desafios e jogos de descoberta, aqui lhe deixo um…

A Bemposta é uma simpática aldeia da Beira Baixa, perto de Monsanto, a leste do Fundão.

A minha conterrânea Graça Correia Ribeiro explicou-me que nesta localidade podem ser facilmente vistas pedras como as que descrevo neste artigo, tendo-me disponibilizado fotos das mesmas. Várias destas pedras trabalhadas, correspondentes à prateleira inferior dos armários, foram adaptadas pela população ao uso como bancos, colocados nos exteriores das casas.

Lembrei-me então de lançar o seguinte jogo-desafio, muito simples: procurar os bancos de pedras trabalhadas. Sugerimos que quando tiver oportunidade visite a localidade e a região, mas mesmo à distância, sem lá se deslocar fisicamente, poderá fazê-lo. A opção do Google Street View, permite fazer um passeio virtual pela aldeia.

O mapa apresentado a seguir mostra a estrutura das ruas. Pode por exemplo começar por aqui, na Rua de São Sebastião, ao lado da capela do mesmo padroeiro, mesmo junto a uma dessas pedras, correspondendo no mapa à estrela verde na zona superior.

Depois, percorra as ruas da aldeia, aprecie o ambiente e tente encontrar outras pedras que tiveram, em tempos idos, idênticas funções. Na minha pesquisa encontrei outras duas.

E não tendo a ver com esta pesquisa, recomendo que passe na Rua dos Balcões. É mesmo muito interessante e fica também muito próxima do ponto de partida! Basta seguir pelo lado direito e logo à saída do largo, seguir pela rua do meio!

Bemposta_Mapa.JPG

 

---ooOoo---

Referências

[1] Os cristãos-novos em Portugal no século XX – Samuel Schwarz, 1925

Biografia de Samuel Schwarz: https://pt.wikipedia.org/wiki/Samuel_Schwarz

[2] Thesouro dos Dinim, que o povo de Israel eh obrigado saber, e observar – Menasseh Ben Israel, ano 5470 (1710); Trata-se da 2ª edição – a 1ª edição data de 1645-1647.

Cópia disponível na internet 

Biografia de Mesnasseh Ben Israel: https://pt.wikipedia.org/wiki/Menasseh_ben_Israel

A versão inglesa é bastante mais completa: https://en.wikipedia.org/wiki/Menasseh_Ben_Israel

[3] Os Hekhalot: Vestígios arqueológicos de um criptojudaísmo singular, Pedro Mendes, 2018

http://193.137.34.194/index.php/Port/article/download/5198/4869

[4] Os últimos criptojudeus em Portugal - David Augusto Canelo, Câmara Municipal de Belmonte - 2001

[5] O resgate dos marranos portugueses - David Augusto Canelo, Câmara Municipal de Belmonte, 2004

[6] Jornal Ha-Lapid (O facho) – publicado entre 1927 e 1958 – divulgador de iniciativas da fé judaica http://www.rebordelo.net/cripto-judaismo/halapid/

 

--- o0o ---

Anexo 1 – Hábitos que suportavam a denúncia de práticas judaicas [5] (página 26)

Note-se a referência ao ato de degolar, descrito no anexo 2.

Descrição proveniente de O Monitório de 1536

Guardar os sábados, não trabalhando e vestindo-se de festa; fazer comida às sextas-feiras para o sábado, acendendo e mandando acender então candeeiros limpos com mechas novas mais cedo que os outros dias e deixando-os acesos toda a noite até se apagarem; degolar aves, atravessando-lhes a garganta, depois de experimentado o cutelo na unha do dedo da mão, e cobrir o sangue com terra; não comer toucinho, nem lebre, nem coelho, nem aves afogadas, nem enguia, polvo, congro, arraia, pescado que não tivesse escama; jejuar o jejum maior, que cai em Setembro, não comendo em todo o dia até à noite ao nascer das estrelas, e estando no dia de jejum maior descalços, comendo carne e tigeladas e pedindo perdão uns aos outros; jejuar o jejum da rainha Ester, assim como às segundas e quintas-feiras; solenizar a páscoa comendo pão âzimo em bacias e escudelas novas, rezando os salmos sem Gloria Patri, fazendo oração contra a parede, sabbadeando, abaixando a cabeça e levantando-a e usando então dos ataphaliis, isto é de correias atadas nos braços ou postas sobre a cabeça; comer, quando alguém morria, em mesas baixas e só pescado, ovos e azeitonas; estar então detrás da porta; banhar os defuntos; lançar-lhes calções de lenço, amortalhando-os com camisa comprida e pondo-lhes em cima a mortalha dobrada como se fosse capa; enterrá-los em covas fundas e em terra virgem e pondo-lhes na boca um grão de aljôfar ou dinheiro de ouro ou prata, dizendo que é para pagar a primeira pousada; cortar-lhes as unhas e guardá-las; derramar ou mandar derramar a água dos cântaros e potes, dizendo que as almas dos defuntos se vêm banhar ou que o anjo percuciente lavou a espada na água; deitar, nas noites de S. João e Natal, ferros, pão ou vinho, na água dos cântaros e potes, dizendo que naquelas noites a água se torna em sangue; deitar bênção aos filhos, pondo-lhes as mãos sobre a cabeça e abaixando a mão pelo rosto abaixo sem fazer o sinal da cruz; circundar os filhos; depois de os baptizar, rapar-lhes os óleos que lhes puseram. 

 

Anexo 2 – O ritual “de degolar” segundo o livro Thesouro dos Dinim

Folio 119 (página digital 249)

Degoladura_Dinim_Inicio.JPG

...

Transcrição segundo o jornal Jornal Ha-Lapid [6]

Dinim de Degolar

CAPITULO IV

A degoladura para ser válida, consiste em três coisas, a saber: no instrumento, no lugar da degoladura, e sítio em que se faz.

No instrumento convém observar duas coisas, a saber:

Primeira, que seja a faca tão aguda e perfeita, que não tenha no corte alguma mossa; por que se acaso alguém degolar com faca que tenha alguma mossa por pequena que seja a tal degoladura será invalida, e a carne degolada trefá (impura – ver nota no final do texto). E assim para evitar isto, é obrigação olhar curiosamente (atentamente) a faca passando muito devagar a unha, e a carne do dedo pelo corte e lado dela até ao número de 12 vezes.

A segunda circunstância do instrumento é, que tenha a faca de comprimento pelo menos a quantidade de dois pescoços da ave, ou animal que se degola. E para tirar de duvidas, costuma-se trazer para degolar aves, de um dedo de largo, e quatro ou seis de longo, e sem ponta, a fim de não cair em escondedura, de que logo trataremos.

O lugar da degoladura, é justamente no meio do pescoço, cortando todo o cano da respiração e o gasnate (atualmente dizemos gasganete) da comida, e não degolando pontualmente no meio, deve-se advertir, que no cano da respiração para ser válida a degoladura, há-de ser desde o anel grande que está conjunto à cabeça até ao papo. E no gasnate, desde aquela parte que quando a cortam se encolhe, que é um dedo abaixo da cabeça até o mesmo papo. E sendo que se fez acaso a degoladura fora destes lugares, a carne é proibida. E ainda que dizemos, que convém cortar os dois canos por inteiro, se acaso degolando alçou algum a mão e achou haver degolado só a maior parte de algum deles, é valida a degoladura na ave, o que não será, se acaso achar degolado a metade de cada um deles.

Há também umas veias junto a estes dois canos, as quais ou no mesmo tempo em que se degola, ou imediatamente depois, se devem cortar, a fim de que saia todo o sangue; e se acaso algum o não fez, não se pode cozinhar em panela aquela ave inteira, com cabeça e tudo; o que depois de haver degolado, se deve olhar com curiosidade.

O sítio em que se deve degolar, é sobre pó solto, como dizer, areia muito miúda, cinza, terra de onde se pode semear, ou pó de serradores; excetuando areia grossa, farelos, terra molhada, chão feito de tábua ou pedras. Também se pode degolar num vaso que tenha pó. E navegando pelo deserto ou mar, faltando estas coisas, se recolherá o sangue num pano, e chegando à parte donde o pode lavar, recolherá o dito sangue, e o cobrirá sem dizer bênção.

As coisas que fazem inválido o mesmo acto de degoladura, são cinco, a daber: Dilação, Apertadura, Escondedura, Resvaladura e Arrancadura.

Dilação é, quando começando a degolar, levantou a mão, ou sem a levantar parou, antes de haver degolado a quantidade competente a qual degoladura é inválida, e a carne proibida, posto que a dilação fosse dum brevíssimo espaço de tempo.

Apertadura, é apertar o pescoço com a faca, ou cortá-lo de um golpe; porque a degoladura para ser boa, há-de ser, levando e trazendo a faca.

Escondedura, é não fazer a degoladura descoberta, mas oculta, metendo a faca entre os dois canos e cortando; ou entre a pele, aos canos; ou ainda entre a pena, o couro, ou debaixo de alguns pano. E por esta causa se tira primeiro a pena, fazendo-se lugar para a faca; e então descoberto o pescoço se degola.

Resvaladura, é degolar fora do lugar competente, o qual é o que arriba temos declarado.

Arrancadura, é haver-se achado depois de degolar algum dos dois canos de todo arrancado, e fora do lugar donde estão pegados às queixadas.

Sucedendo pois qualquer destas cinco coisas, é a degoladura inválida, e proibida a carne.

 

Da forma e estilo que se observa no degolar

CAPITULO V

Primeiramente olha-se com curiosidade a faca, passando pela unha e carne 12 vezes.

Achando-se sem mossa se prepara o pó e degolando, se diz a bênção seguinte:

 

Bendito tu A.N.D.R. del mundo (Adonai, nosso Deus Rei do Universo) que nos santificou em suas encomendanças (mandamentos), e nos encomendou (ordenou) sobre a degoladura. E adverte-se, que uma bênção, degolando muitas aves serve para todas, com tanto que não fale entre ave a ave, em coisa que não seja do sujeito (assunto) da degoladura. Dita a bênção, se degola no lugar, e quantidade competente.

Depois de degolar, se vê se se observou na degoladura as circunstâncias referidas, ou pecou nalguma delas.

Feita esta diligência, se torna a olhar a faca; e sendo que se acha com alguma mossa, é trefá a carne que se tem degolado. E assim, quem degola muitas aves, é necessário, que entre ave e ave reveja a faca, porque se acaso não fez isto, e olhando-a ultimamente a achar com mossa, todas as aves que houver degolado são trefás.

Finalmente, com a mão, ou cabo da faca, ou qualquer outra coisa, se cobre o sangue e diz a bendição (bênção) seguinte:

Bendito tu A. N. D. R. del mundo, que nos santificou em suas encomendanças, e nos encomendou sobre cobertura do sangue.

E degolando muitas aves, uma vez só se há-de cobrir o sangue com uma só bênção.

Estes são os Dinim suficientes, para poder degolar licitamente; buscando-se primeiro algum Hacham (rabino), a quem se mostre a faca, e o examine, dando-lhe a aprovação, para o poder fazer.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D