Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Possíveis origens fenícias de topónimos do nosso território

Segunda parte – Ílhavo / Vale de Ílhavo

por Lourenço Proença de Moura, em 02.10.20

IMG_3645.JPGCapela da Ermida - Vale de Ílhavo - LMCPM 2020

Introdução

Na publicação anterior expliquei que, de acordo com estudos feitos por alguns investigadores como Moisés Espírito Santo, se constata que neste nosso território terá havido significativas influências de culturas do próximo oriente, muito possivelmente trazidas por comerciantes fenícios. Mostrei em particular como a dispersão no nosso país do topónimo “Vale” parece desafiar a lógica da orografia, pelo que terá havido outras razões para o mesmo ser adotado.

Agora vou apresentar uma análise que fiz de um caso geograficamente próximo de Aveiro, local onde moro. Nesta análise tento mostrar como o topónimo Ílhavo, ou mais especificamente Vale de Ílhavo pode ter origens fenícias.

--- <<<>>>---

Vale de Ílhavo é uma localidade próxima de Ílhavo, junto a Aveiro, cidade onde resido. Esta reflexão começou um pouco por acaso, ao fazer um passeio de fim-de-semana, pois havia lá uma festa em celebração das tradicionais “Padeiras de Vale de Ílhavo”.

Sucede que esta simpática terra não está propriamente num vale e essa característica ficava bem à vista ao fazer o percurso. Toda esta região tem colinas suaves e nada mais. Não seria muito natural nomear por Vale uma terra assim.

Veio-me nessa altura à memória a hipótese de Moisés Espírito Santo, de o nome poder estar associado a um lugar de culto antigo ao deus fenício Baal.

Fiz nessa sequência uma pesquisa sobre as várias invocações de outros deuses do panteão fenício cuja sonoridade vocal fosse próxima de Ílhavo, tendo como base a grafia mais antiga conhecida, que será do ano 1047 da nossa era, em que surge como "Iliavo" [1] [5].

Identifiquei então o que seria um dos deuses com invocações mais relevantes e que poderá responder à nossa questão. Ilib, deus dos antepassados (Veja-se o anexo 1 em que se faz uma muito breve descrição de alguns dos mais relevantes deuses fenícios). Há documentos da época que mostram ser dos que recebiam mais oferendas dos fiéis [8]. Segundo informação recebida do Dr. Moisés Espírito Santo, podemos entendê-lo como deus da ordem, da boa vizinhança, da família, da fecundidade.

A proximidade fonética com “Ilib” e a sua evolução parecem diretas. Nesta última transição terá ocorrido por aproximação à palavra “Ilha”, tão familiar a estas gentes que do mar tiram o seu sustento.

Algo como: Ilib => Ilibo /Ilivo => Iliavo /Ílhavo

Mas naturalmente pode tratar-se de um curioso acaso. Teria pois que procurar algo mais para consolidar a hipótese.

Note-se que “Baal” e “Ilib” eram deuses distintos. O panteão fenício tinha muitos deuses, não sendo de espantar que os cultos fossem com frequência feitos em conjunto, como hoje também sucede. Apenas como exemplo, a conhecida romaria da Senhora do Almortão, na Beira Baixa, tem um dia dedicado à Senhora Virgem Maria e um outro dedicado a São Romão.

Em qualquer caso, esta hipótese tem implícito um ou mais lugares de culto.

Sucede que os fenícios faziam o seu culto sobretudo em lugares elevados, ou então junto a nascentes de rios, junto a rios ou junto ao mar [2]. Em Vale de Ílhavo propriamente dito não é visível nenhum local desse tipo. Mas bastante perto, num ponto relativamente elevado, temos a Capela da Ermida, junto a uma propriedade murada com casario antigo, conhecido por Paço da Ermida.

IMG_3648.JPGFigura 2 - Capela da Ermida e Paço da Ermida - LMCPM 2020

A Ermida, é referida nas informações paroquiais de 1721 e 1758. Estes e outros detalhes podem ser vistos no excelente blogue Património Religioso de Ílhavo, da autoria de Hugo Cálão [4]. Saliento duas referências:

 - Nas informações de 1721 a Capela da Ermida é referida como sendo do povo, ou seja não pertencia a nenhum senhorio nobre ou clerical;

- Nas informações de 1758 é referido que junto à Ermida ficam “as nobres casas do Senhorio do Prazo”. Ou seja, Senhorio do Prazo, ou Quinta do Prazo, é outra denominação antiga do Paço.

Sucede que este termo "Prazo" é muito relevante quando se procuram topónimos fenícios. Deriva de uma forma praticamente direta de "perazu" (que terá dado nome a muitos outros lugares em Portugal denominados por exemplo ”Paraíso” e "Prazo") [2]. Significa "lugar da convocação dos acordos". De acordo com esta interpretação, os povos que habitavam esta região renovavam os acordos entre si e com os comerciantes da longínqua fenícia e neste caso fariam rituais religiosos a “Baal Ilib” (ou a “Baal” e a “Ilib”), numa forma possivelmente próxima ao que atualmente denominamos romarias. No blogue referido podem-se observar fotografias muito interessantes dessa capela e de romeiros da década de 1950. Não consegui encontrar referências sobre a antiguidade desta romaria. A ser correta a minha interpretação, seria muitíssimo antiga.

Ao longo dos séculos as tradições e os cultos enraízam-se nas comunidades. Evoluem e adaptam-se às “religiões oficiais” mas em muitos casos mantêm a sua essência numa interpretação popular de religiosidade e hábitos que passam de geração em geração. A Ermida manteve-se do povo, fazendo parte da sua identidade, com ritos que de acordo com esta hipótese remontariam há mais de dois mil e quinhentos anos atrás.

Mas identifiquei mais alguns topónimos de grande interesse neste contexto,.

Bastante perto, ligeiramente a poente de vale de Ílhavo, encontramos “Moitas”.

Esta denominação e outras semelhantes, tais como Moita e Mota, podem derivar de Mot (“mout”), deus da morte, rival de Baal.

Saliento a relevância da sua proximidade ao espaço que estaria dedicado a Baal. Não sendo conhecidos detalhes dos ritos a estes deuses, conhecem-se contudo bastante bem os poderes que lhes eram atribuídos e os mitos. Entre Baal e Mot ocorria uma luta eterna. Ambos eram importantes e complementares. Dos seus ciclos de luta anuais dependia a vida no mundo. A associação ao ciclo das estações e daí às colheitas, surge de forma intuitiva, se bem que nos textos conhecidos tal associação não esteja explícita [10].

Nos locais a que estava associado Mot, havia também rituais de enterramento, ou seja cemitérios [2].

Por último realçaria mais um topónimo extremamente interessante pela sua sonoridade peculiar:

- Boco (Rio Boco); Este termo tem como um dos seus significados “oferenda”[9]. Poderia simplesmente ter ganho o nome por estar junto ao espaço de culto onde haveria oferendas aos deuses. Ou poderia mesmo haver algum ritual de oferendas na margem, ou na foz. Note-se que o Rio Boco, naquela época desaguava diretamente no mar como mais adiante explicarei.

Posicionamento geografico Vale de Ilhavo.JPGFigura 3 - Alguns topónimos na zona de Vale de Ílhavo (Google Maps)

Penso ser de interesse ter em conta que esta região passou por grandes mudanças em particular no último milénio decorrente da deposição de areias e assoreamento. No período a que reporta esta análise, não havia praticamente nenhum cordão dunar. O rio Boco desaguava diretamente no mar. A Figura seguinte mostra essa evolução. Note-se que a identificação de localidades atuais não significa que já houvesse ocupação humana na altura, mas apenas pretende ajudar a situar os contornos da costa. No anexo 2 explica-se como se elaborou este mapa.

Localizacao_Vale_Ilhavo_ha_2500_anos.JPGFigura 4 – Como seria o litoral deste espaço geográfico na época analisada

Em jeito de conclusão

Em síntese, a opção que aqui coloco remete a origem do nome Ílhavo, ou mais precisamente Vale de Ílhavo, para uma invocação de dois deuses fenícios, Baal e Ilib, que seriam objeto de adoração no Prazo, local onde em romaria os povos desta região se encontravam, manifestavam a sua fé e estabeleciam acordos entre si e com os fenícios.

Como Senos da Fonseca refere [5], na época em que situo o início deste culto, quase não haveria população residente fixa nestes locais. Na minha perspetiva, eram sobretudo pontos de encontro para as celebrações. Mas à medida que as gentes se foram fixando, nessa altura adotaram esses nomes, Vale de Ílhavo e Ílhavo.

Esta hipótese tem algumas “consequências” curiosas:

- Seria de certa forma Vale de Ílhavo que daria o nome a Ílhavo e não o inverso;

- Poderia a tradição das padeiras ter origens tão remotas como as aqui referidas, em que nessa época de culto preparariam o bodo que constituiria a renovação ritual dos acordos estabelecidos.

 

Por último…

Por último, deixaria aqui uma pergunta que fiz a mim mesmo quando cheguei a este ponto da pesquisa:

Mas se estes deuses eram tão relevantes e se o impacto dos fenícios foi significativo nos povos deste espaço que hoje é Portugal, por que razão não temos mais “Vales de Ílhavo” ou topónimos de sonoridade semelhante?

Pensei um pouco e… penso que encontrei uma resposta, curiosamente perto da minha terra natal, Caria. E depois outras respostas…

É o que irei explicar na próxima publicação.

--- <<<>>>---

Anexo 1 – Algumas referências sobre o panteão de deuses fenícios

Os fenícios não constituíam uma nação no sentido atual do termo. Nem sequer há evidências de que a si mesmos assim se denominassem. Organizavam-se em cidades com gestão autónoma e cada cidade possuía o seu referencial religioso. Naturalmente havia similaridades entre elas, mas não havia um panteão de deuses único. O que se apresenta é a descrição de acordo com os textos de Ugarit  [3] [10]. Desconhecia-se a localização desta cidade até que em 1928 um camponês descobriu uma tumba por acaso. Seguiram-se trabalhos arqueológicos, que encontraram várias bibliotecas de “tábuas de argila”, escritas em diversas línguas e formas de escrita (ex: cuneiforme, hieróglifos). Estes achados foram extraordinariamente relevantes e permitiram termos atualmente uma perspetiva bastante razoável de muitos aspetos da vida dos povos que habitavam e comerciavam nesta região e época (cerca de 1200 AC), tais como os mitos, atos sociais e religião [6] [7].

 

Ilib – o deus dos antepassados; surge em primeiro lugar em listas de deuses, presumindo-se a sua importância. São conhecidas descrições de oferendas a deuses em que as melhores são atribuídas a este deus

EL.jpgEl  - Oriental Institute Museum, University of Chicago, Chicago, Illinois, USA - (Wikipedia)

El – O progenitor dos outros deuses à exceção de Baal; denominado “o criador das criaturas”; se bem que venerado, não surge como ator nos mitos; tem Échira (Ashirah) como esposa

Echira.jpgÉchira – Detalhe de caixa de marfim encontrada em Ugarit – Museu do Louvre - (Britannica)

Échira (em inglês Ashirah) – progenitora com El dos restantes deuses (cerca de 70); deusa da fertilidade; representada como uma árvore (ou figura feminina que simboliza a árvore)

Dagan (ou Dagon) – Deus das boas colheitas dos cereais. Inventor do arado.

Baal.jpgBaal representado com chifres e segurando um raio - Estela encontrada em Ugarit - Wikipedia

Baal – Deus das tempestades; “O que cavalga as nuvens”; Senhor da terra, é o que assegura a sua fertilidade; de acordo com um dos mitos torna-se rei dos deuses depois de derrotar Yam; de acordo com outro mito é derrotado por Mout, deus da morte, mas após ter a ajuda de Anat, sua consorte, renasce e vence Mout; Baal assume-se como o deus mais popular e devocionado

Anat – Esposa de Baal; deusa do amor e da guerra; denominada de “virgem”

Mout – Deus da morte e da seca; Vive nas profundezas da terra; Vence e mata Baal, mas este retorna à vida e consegue derrotá-lo

Yam – Deus do caos e do mar; desafia Baal para se tornar rei dos deuses, mas perde o combate depois de numa primeira fase estar a vencer;

--- <<<>>>---

Anexo 2 – Como se elaborou o mapa da Figura 4

Teve-se como base a representação da esquerda, da figura seguinte, publicada na obra Geografia de Portugal, de Amorim Girão (1941)

Localizacao_geografica_ha_2500_anos.jpgFigura A2.1 – Evolução da costa na zona de Aveiro

Detalhou-se de seguida a península em que se situa esta análise tendo como base a representação usada na obra Ílhavo – Ensaio monográfico – século X ao século XX, de Senos da Fonseca, mostrada na figura seguinte.

Recorte da costa Ilhavo antes da laguna.pngFigura A2.2 – Recorte da costa na zona de Ílhavo antes da formação da laguna

Por último, sobrepôs-se um esquema de posicionamento relativo das localidades referidas, tendo como base o Google Maps.

--- <<<>>>---

Referências

[1] Ferreira, Delfim Bismark - As Terras de Vouga nos Séculos IX a XIV - Território e Nobreza

[2] Espírito Santo, Moisés - Origens orientais da religião popular portuguesa, Assírio e Alvim, 1988

[3] Cassuto, U. (1962). "Baal and Mot in the Ugaritic Texts". Israel Exploration Journal. 12 (2): 81-83 (acessível via Jstor)

[4] Cálão, Hugo - Património Religioso de Ílhavo

[5] Fonseca, Senos da – Ílhavo - Ensaio monográfico – século X ao século XX

[6] Ugarit – Wikipedia

 

[7] Enciclopédia Britanicca / internet

[8] Toorn, Karel van der, Becking, Bob, Horst, Pieter Willem van der - Dictionary of Deities and Demons in the Bible

[9] Espírito Santo, Moisés – Dicionário Fenício – Português – Universidade Nova de Lisboa – 2ª edição

[10] Tsumura, David Toshio - Canaan, Canaanites in Bill T. Arnold & Hugh G. M. Williamson (eds), Dictionary of the Old Testament: The Historical Books. Leicester: InterVarsity Press, 2005.

[11] Girão, Amorim - Geografia de Portugal (1941)

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


6 comentários

Sem imagem de perfil

Anónimo a 13.11.2020

Boa tarde obrigado ao elogio ao meu blog Património Religioso de Ílhavo. Deixo como referência o livro que não menciona sobre o topónimo de Ílhavo - Coelho, João O. - Notas Toponímicas: Aviarium e Illiabum ou Aveiro e Ílhavo através dos Séculos, Figueira da Foz 1953.
Pedialhe que corrigisse o meu nome nas notas pois sou Hugo não Augusto ... felicitando-a pelo bom trabalho de investigação, atenciosamente Hugo Cálão, mestre em História e Património
Imagem de perfil
Caro Hugo Cálão, Agradeço as suas palavras e peço desculpa pelo lapso na escrita do seu nome nas referências, que entretanto corrigi. Agradeço também a sugestão do livro sobre o topónimo Ílhavo (e Aveiro) que também possuo, mas não pondo em causa o mérito de outras hipóteses, procurei focar-me nesta, penso eu, nova hipótese e mesmo assim já resultou uma publicação algo longa.
Sem imagem de perfil

Anónimo a 19.11.2020

Interessante. Leste o livro do Fernando Venâncio que também tem um trabalho razoável sobre topónimos de várias origens?
Sem imagem de perfil

Anónimo a 19.11.2020

Esqueci de assinar

Renato
Sem imagem de perfil

Anónimo a 20.11.2020

Caro Renato, agradeço as sugestões. Irei procurar esse livro.
Sem imagem de perfil

Nuno Alegre a 03.03.2021

Confesso que estou absolutamente maravilhado com este post cheio de luz para a investigação que estou a fazer. Estou a analizar o compasso de navegação fenícia (35 a 45 Km diários) entre a estação arqueológica de Stª Eulália (Junto a Montemor o Velho) e a estação arqueológica do Cabeço do Vouga e que me faltavam alguns lugares "suspeitos" de serem portos fenicios. Um dos que me tinha levantado suspeitas foi justamente o antigo braço de mar que encosta nessa Ermida. Obrigado pela sua investigação, que irei guardar e ter em linha de conta na minha própria linha de raciocínio. A régua e esquadro, lá chegaremos. Um abraço, Nuno Alegre

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D